Em A Saga Crepúsculo: Lua Nova, o segundo capítulo da fenomenal bem sucedida série de Stephenie Meyer, o romance entre vampiro e mortal é elevado a novo nível, quando Bella Swan (Kristen Stewart) tem que enfrentar seu destino pelo amor do vampiro Edward Cullen (Robert Pattinson). Como ela entra de cabeça nos mistérios do mundo sobrenatural que ela aspira em fazer parte, Bella descobre alguns segredos antigos que a coloca mais em perigo do que nunca.

Logo após Bella completar 18 anos, Edward decide deixá-la para trás em um esforço para protegê-la. Com uma tristeza inconsolável, Bella atravessa seu último ano de escola dormente e sozinha e descobre que ela pode chamar a imagem de Edward sempre que se coloca em perigo. Seu desejo em estar com ele a qualquer
custo a leva a assumir riscos cada vez maiores, incluindo um novo gosto por passeios de motocicleta em alta velocidade.

Com a ajuda de Jacob Black (Taylor Lautner), seu amigo de infância e um membro da misteriosa tribo Quileute, Bella reforma uma moto para suas aventuras. O coração congelado de Bella está gradualmente descongelando por sua relação de amizade com Jacob, que tem seu próprio segredo sobrenatural.

Quando Bella perambula sozinha em um prado, ela se vê cara a cara com um mortal adversário. Apenas a intervenção de uma matilha de lobos extraordinariamente grandes a salva de um terrível destino e o encontro torna assustadoramente claro que Bella ainda está em grave perigo. Em uma corrida contra o relógio, Bella descobre o segredo antigo da tribo Quileute e a verdadeira motivação de Edward para sair de sua vida. Ela também enfrenta a perspectiva de uma reunião com seu amado, que acaba sendo muito diferente e mais perigoso do que ela esperava.

Com mais romance, ação e suspense, A Saga Crepúsculo: Lua Nova é uma fascinante sequência do fenômeno internacional de bilheteria. Baseado no best-seller de Stephenie Meyer (1º lugar na lista do New York Times
com mais de 52 semanas e contando), com mais de 5,5 milhões de livros impressos, Crepúsculo é um fenômeno cultural com uma base de fãs dedicados, que aguarda ansiosamente o filme.



SOBRE O FILME

Crepúsculo, o primeiro filme baseado na série de best-sellers de Stephenie Meyer, foi lançado em novembro de 2008 para um público que o aguardava ansiosamente. Foi um sucesso instantâneo, por se tratar de um projeto que foi sendo cuidadosamente analisado pelos milhões de dedicados fãs da saga, ansiosos para ver como os seus heróis e heroínas seriam retratados. A adaptação para o cinema do romance improvável entre uma menina da escola sensível e um vampiro de mais de um século de idade faturou mais de 70 milhões dólares em
sua semana de estréia e acabou arrecadando mais de 350 milhões de dólares em todo o mundo. O sucesso abriu caminho para a versão cinematográfica da próxima seqüência da série, A Saga Crepúsculo: Lua Nova.

Wyck Godfrey, produtor dos dois filmes, foi inflexível quanto A Saga Crepúsculo: Lua Nova não ser apenas uma outra seqüência. Como o livro que o inspirou, o filme leva o relacionamento de Bella Swan e Edward Cullen para um nível mais intenso e perigoso, e revela um conflito que vai assombrar Bella: a longa rivalidade entre a tribo Quileute e os vampiros, que a colocará entre seu melhor amigo Jacob Black e seu amor, Edward.

"O desafio era simplesmente não repetir o que o primeiro filme entregou", diz Godfrey. "À medida que a história avança, o mundo se abre. Temos de evoluir os personagens e entregar um novo visual. Estamos cavando mais fundo na vida de Bella e como seu mundo se expande. Ela descobre coisas novas sobre o povo de Forks, principalmente os Quileutes e Jacob. A descoberta de que Jacob e seus amigos se transformam em lobos é um grande problema”.

"Bella percebe que está vivendo o que parece ser um mundo de fantasia onde vampiros e lobisomens são reais", diz ele. "Assim, quando ela fez um amigo que a faz sentir-se viva novamente depois que Edward desapareceu, ela descobre que ele é diferente também. E desde que a única razão para estes lobisomens
existirem é por causa da existência dos vampiros, Jacob não existiria como um lobisomem se não fosse por Edward. Esse é o principal conflito entre Jacob e Edward e Bella é apanhada no meio como um ser humano”.

O diretor Chris Weitz tem sido bem sucedido na adaptação de livros para a tela, inclusive em Um Grande Garoto e A Bússola de Ouro. Isso fez dele uma escolha óbvia para este projeto, diz Godfrey. "Chris tem uma história de construir filmes de fantasia, com efeitos complexos, bem como expor o íntimo dos personagens, e ele trabalha bem com jovens atores. Mas é a sua apreciação dos livros de Stephenie Meyer e personagens que fizeram dele o diretor perfeito para A Saga Crepúsculo: Lua Nova”.

"Foi muito importante para nós realmente honrar a criação de Stephenie e os fãs que amam a série Crepúsculo” acrescenta Godfrey. "O que nós não queríamos fazer era levar seus livros e tentar reinventá-los. Chris apaixonou-se pelos livros e sabia como levar a história para as telas e mantê-lo em suas raízes da realidade.
Isso foi essencial. Mesmo que estas são criaturas de fantasia, a história parece que é em nosso mundo o tempo todo”.

Embora Weitz esteja inicialmente familiarizado com os romances, ele rapidamente se tornou um fã. "Eu li os livros", diz o diretor. "Então eu fui ver o primeiro filme com uma platéia, e eu fiquei tão excitado com a reação de grande profundidade emocional que eu vi. Quando eu assisto a um filme, eu procuro uma imensa sensação de estar imerso em um universo, e esta foi uma oportunidade para fazer isso. É um pouco diferente do que eu fiz antes, mas ele também recorre a algumas das minhas experiências”.

A responsabilidade principal de Weitz era ser fiel aos livros. "Eu trabalhei muito, muito duro para ter certeza que as coisas fossem bem nesse sentido", diz ele. "O primeiro filme foi um grande fenômeno. Os livros eram um fenômeno. Meu primeiro trabalho foi o de respeitar o amor que os fãs têm para com os livros e que esse amor fosse transferido para o filme. Não houve necessidade de refazer o mundo completamente. Vamos para lugares diferentes dessa vez, mas que ainda mantêm o respeito para os fãs”.

O diretor consultou a autora regularmente, mesmo em questões menores, de acordo com Meyer. "Ele estava interessado nas menores coisas, como: essa pessoa pode usar esse sapato?", Diz ela. "Ele verificava todos os detalhes. Ele queria fazer como no livro, e ele foi muito, muito legal com isso”.

Ter a autora disponível foi inestimável para Weitz. "Com o Senhor dos Anéis, ninguém poderia perguntar para Tolkien o que ele originalmente tinha em mente", diz o diretor. "Eu poderia enviar e-mails para Stephenie e fazer perguntas concretas como: Os poderes de Jasper poderes realmente funcionar com a Bella?, bem como questões metafísicas maiores. Isso me permitiu ter certeza de que todos os pontos nós estávamos mantendo coerentes com os livros”.

Meyer aprecia a diligência de Weitz, dizendo: "Ele escuta realmente. Ele é muito calmo e, ao mesmo tempo, é muito claro no que ele está procurando. Senti que meu material estava em boas mãos com ele”.

Para Meyer, escrever Lua Nova foi uma experiência completamente diferente de escrever o livro anterior. "Foi provavelmente o livro mais difícil que eu já escrevi, porque pela primeira vez, eu sabia com certeza que as pessoas estavam indo ler o que eu escrevi. Quando eu escrevi Crepúsculo, ele era apenas para mim. De
repente, senti que as pessoas estavam olhando sobre meus ombros. Eu fiquei bastante assustada”.

"Lua Nova foi um livro tão diferente e não era o que os fãs estavam esperando necessariamente”, ela continua. "O primeiro livro foi sobre o amor verdadeiro. A conseqüência natural disso, especialmente quando você é jovem, é que você vai ter seu coração partido, e quanto mais você ama alguém, mais difícil vai ser superar isso”.

"Edward pensa que protegerá a Bella terminando o relacionamento", explica Meyer. "Ele não espera o tormento e a angústia de ter o coração despedaçado, que é uma experiência universal comum a qualquer membro do sexo masculino ou feminino na platéia. Ao final, os dois aprenderam muito sobre como eles são importantes para si. Bella cresce um pouco e Edward tem de perceber que ele não sabe tudo”.

Também é central para a história a amizade que se desenvolve entre Bella e Jacob Black, um lobisomem, inimigo natural dos vampiros. "Os riscos são maiores", diz Weitz. "Agora não é apenas a existência de Bella que está em perigo, mas a existência de Edward também. Em termos de história do mundo, temos um olhar para novas áreas e cantos da mitologia, e como a mitologia se expande, o mesmo acontece com o filme”.

"Claro, nós estamos contando uma história sobre vampiros e lobisomens e o sobrenatural", o diretor continua. "Mas, além disso, ele lida com estes sentimentos humanos básicos, como amor, desejo, necessidade, a perda, o apego e amizade. Ele lida com o perigo de você entregar seu coração quando se apaixona. Como diz Bella em Crepúsculo, ela não tem medo de Edward, porque ele é um vampiro, ela está com medo porque ela é tão apaixonada por ele. E há uma espécie de triângulo amoroso que se desenvolve neste filme, que é realmente muito compreensível e atraente”.

Meyer diz que ela está ainda mais animada com esta nova etapa na saga do que ficou com o primeiro. "Crepúsculo prepara esse ótimo lugar para nós, quase como um trampolim", diz ela. "Agora nós estamos pulando pra fora e indo para um nível totalmente novo. Os membros do elenco conhecem uns aos outros, eles
conhecem os seus personagens e estão animados por estar de volta. O livro foi mais emocional em alguns aspectos e é muito mais profundo. E então temos todos os novos personagens. Ele vai ser muito divertido. Eu estou realmente ansiosa para assistir a matilha de lobos interagirem e, claro, os Volturis. Vai ser muito legal”.

Mas no final de tudo, os fãs ainda são o que a conduz, diz a autora. "Estas são pessoas fictícias, pessoas que eu sonhei", disse ela maravilhada. "E os fãs realmente se importam com o que acontece com eles. O que vai acontecer a seguir? O que eles fazem em uma noite de sexta-feira? E onde é que Bella faz suas unhas? É cada pequeno detalhe. Ter tanta gente interessada em seus personagens é um elogio enorme”.

SOBRE OS PERSONAGENS

Crepúsculo criou superestrelas internacionais: Kristen Stewart, que interpreta Bella Swan, a inocente mortal no coração do conto e Robert Pattinson, que interpreta Edward, vampiro galã sedutor e arrasador de corações. Agora, a Saga Crepúsculo: Lua Nova posiciona Taylor Lautner para se juntar a eles com sua reprise do papel de Jacob Black, que literalmente se tornou uma força incontrolável da natureza.

O diretor Chris Weitz veio para o projeto na situação insólita de saber quem são seus atores principais. "Eu costumo ficar bastante agressivo sobre vazamentos", diz ele. "Nesse caso, eu tive a sorte de herdar este grande grupo de atores que Catherine Hardwicke encontrou no primeiro filme. A chance de trabalhar com eles
foi uma das partes mais emocionantes da experiência”.

Mas nem todos os membros do elenco estavam no local quando Weitz sentou-se na cadeira de diretor. "Há alguns novos personagens que estão na tela por um tempo relativamente curto, mas têm impacto incrível na mitologia do resto da série", diz Weitz. "Eu sempre tentei conseguir apenas as pessoas certas, não importando o tamanho do papel”.

No início das filmagens, Weitz fez algo que nunca tinha feito antes: Ele distribuiu um panfleto de 20 páginas descrevendo suas idéias para o filme e os personagens. "Eu dei para eles um guia de orientação”, explica ele. "A informação que eu lhes dava era para familiarizá-los com as definições e o estilo do filme, de modo que eles soubessem de antemão, o tanto quanto possível. Isso nos deu a liberdade de improvisar no dia. Eu nunca quero bloquear jovens atores e pessoas criativas com decisões que eu faço, mas eu gosto de lhes dar o máximo possível para ir em frente”.

Bella, Edward e Jacob: Um eterno triângulo

Os momentos de abertura do filme são gastos com Bella, que está se tornando mais consciente de sua idade e mortalidade. "É o que pesa sobre ela muito fortemente", disse Kristen Stewart. "Seu maior pesadelo é que Edward vai deixála. E ele o faz. Qualquer um que já tenha tido o coração partido sabe que você questiona tudo. É como, eu tinha tanta certeza disso, e agora tudo que eu pensei era real? Porque nada poderia ser mais real do que isso, e eu estava errada”.

Stewart quer ser clara: Bella não é a donzela em apuros. "Ela está muito no controle de sua própria situação. Ela se entregou a alguém, e em contrapartida espera o mesmo dele”.

Bella desenvolveu duas fortes, mas diferentes, relações com os homens em sua vida. "Edward é algo que ela precisa", diz a atriz. "Ele a equilibra, mas isso não significa que ele é a melhor pessoa para ela. Ele é difícil, ele é frio, ele é reservado. Mas sem o seu cuidado, eles nunca poderiam estar juntos”.

"Jacob é o oposto”. Stewart continua. "Ele é a luz. Ele é divertido e quente, e traz as melhores coisas para fora dela. Basicamente, ele é seu melhor amigo, e se você pudesse namorar seu amigo seria uma coisa bonita, mas você não estaria sempre apaixonada por ele”.

O nível de preparação de Weitz ganhou pontos com Stewart. "Chris tem pensamentos muito organizado e ele é realmente colaborativo", diz ela. "Foi bom saber que ele estava tão comprometido com o projeto como nós estamos, não apenas pulando sobre a próxima grande coisa”.

Robert Pattinson também ficou impressionado pelo conhecimento do diretor do mundo do Crepúsculo. “Crepúsculo teve um final feliz", diz o ator. "Bella e Edward estavam juntos e tinham vencido seus inimigos. Em A Saga Crepúsculo: Lua Nova, a realidade se firma. Eles estão lidando com a progressão da sua relação e
compromisso com o outro, assim como as reais ameaças vindas de fora. Quando Edward deixa Bella, ele basicamente leva a vida dela, e ele sofre por estar longe dela, porque eles se tornaram tão dependentes um dos outro”.

"Por eu e Kristen termos interpretados os personagens antes, temos uma idéia muito específica de como achamos que os personagens se desenvolvem ao longo de toda a série", continua Pattinson. "Chris foi muito compreensivo com isso. Mas ele também veio preparado com um monte de grandes idéias e que tinha muita
pesquisa para apoiá-las”.

Pattinson refere-se ao seu personagem como um vampiro "relutante", em contraste com os Volturi. "Eles se vêem como monstros, mas eles estão confortáveis com isso", diz ele. "Mas quando eles vêm um ser humano que diz que ama Edward, eles querem acreditar que pode acontecer, e isso é essencialmente o que o salva”.

A Saga Crepúsculo: Lua Nova sinaliza o surgimento de Jacob Black, um personagem que desempenha um papel mais periférico no primeiro filme. Jacob é um membro da tribo Quileute, o tradicional povo de Forks, Washington. Um amigo de infância de Bella, Jacob não foi inicialmente concebido para ser parte integrante da história como ele se tornou, de acordo com Meyer. "Jacob saiu do nada. Ele não deveria existir desse jeito, mas sua personalidade era tão forte. Eu podia ver como ela se forma nos acontecimentos do livro”.

Durante A Saga Crepúsculo: Lua Nova, Jacob descobre que ele foi escolhido para se tornar um protetor de seu povo, um lobisomem que os defende contra a depredação dos vampiros. "Jacob vem passando por uma transformação", disse Lautner. "Você verá ele fisicamente diferente. E enquanto ele se torna diferente
fisicamente, ele muda emocionalmente”.

"Eu gostava de fazer a maioria das minhas cenas de ação e esses são alguns dos meus momentos favoritos no filme", diz o ator, que completou 17 anos durante a fotografia principal. "Por exemplo, em uma cena, Jacob pula fora de casa, salta sobre um muro, através de um riacho e corre através de um campo. Eu estava sob alguns cabos sendo levantado a dez metros acima do chão até chegar em um local onde deveria parar, para que a equipe dos efeitos visuais mais tarde pudesse tiram meu corpo e convertê-lo em um lobo”.

Lautner, que jogou todos os esportes na escola e praticou "extremas artes marciais", diz que não foi só o seu porte atlético que lhe permitiu realizar suas acrobacias, como também auxiliou nos maneirismos e progressão do personagem. "Antes da transformação, ele é muito desajeitado, como um adolescente entusiasta que anda por aí tropeçando em seus próprios pés", diz o ator. "Mas quando ele passa por sua evolução como lobo, ele se torna muito ágil”. O relacionamento de Jacob com Bella está mudando também. "A oportunidade que Jacob tem de desenvolver o seu relacionamento com Bella é a mudança mais emocionante para mim", disse Lautner. "Jacob torna-se a luz do sol que acorda Bella até trazê-la de volta à vida. E então, quando Edward volta, Jacob perde tudo isso”.

A Internet tem gerado um forte debate entre Team Jacob versus Team Edward. "Taylor fez muito pelo Team Jacob", diz Meyer. "O lance de Team Jacob / Team Edward é coisa inspirada no tipo de rapaz que há dentro de cada indivíduo com quem você se identifica. Se eu fosse para uma equipe, eu diria que eu provavelmente estaria no Team Jacob. Isso é mais o meu estilo”, explica a autora. “Se você acredita que você pode desenvolver uma amizade profunda que pode transformar-se no amor mais tarde, então você deve estar no Team Jacob. Mas se você acredita em amor à primeira vista pelo homem misterioso no canto, então tudo bem, junte-se ao Team Edward”.

Estar de volta junto com seus colegas de elenco e companheiros têm sido um tanto nostálgico e inspirador para os atores. "Nós mudamos muito", diz Stewart. "Foi um ano inteiro, mas nós pegamos onde paramos. Isso faz com que fique muito natural”.

Mas, o sucesso de Crepúsculo adicionou uma nova dimensão para a reunião de elenco, diz Lautner: "Quando estávamos filmando Crepúsculo, nenhum de nós tinha qualquer idéia de quão grande ele seria", diz ele. "É muito emocionante estar de volta com a equipe”.

Vampiros e Volturi

Em uma breve aparição, mas fundamental, a vampírica família Cullen é anfitriã de uma festa de aniversário de Bella, onde um corte de papel desencadeia uma perigosa reação em cadeia, fazendo com que Edward acabe com o romance.

Ashley Greene, Peter Facinelli, Elizabeth Reaser, Nikki Reed, Kellan Lutz e Jackson Rathbone retornam como membros da família Cullen.

"Já virou uma verdadeira família", diz Reed. "Estamos todos tão apaixonados por isso e meus colegas de elenco são pessoas inteligentes e interessantes. É ótimo trabalhar com eles novamente, e estamos tão felizes de podermos encarnar esses personagens através de vários filmes. Somos todos fãs dos livros, e foi extremamente gratificante trazer para a vida algo que tanto amamos".

Alice Cullen, interpretada por Ashley Greene, tem um papel importante neste capítulo da história. Suas visões do futuro influenciarão diretamente nas tentativas desesperadas de Bella em resgatar Edward de sua equivocada tentativa de se matar.

"Bella é essencialmente a melhor amiga de Alice", diz Greene. "Ela quer o que é melhor para a Bella. Para Alice, a coisa mais lógica é Bella se tornar um vampiro e ficar com os Cullen. Ela respeita o desejo de Edward em Bella continuar a ser uma humana pelo maior tempo possível, mas Alice viu um tipo diferente de futuro”.

Dois elementos de Alice particularmente satisfizeram Greene: a roupa bonita e os carros velozes. "Eu comecei a usar as melhores roupas", diz ela. "Tish Monaghan, a designer de figurino, encontrou estes revestimentos de um grande casaco branco de seda e um casaco listrado de Michael Kors, combinando com as calças pretas e sapatos de ballet planas e longas luvas vermelhas. Eles eram demais e tão peculiares para Alice. Eu também tenho de conduzir este incrível Porsche amarelo por essas ruas na Itália. Eu só tive uma lição de condução no dia anterior que supostamente iríamos filmar. Eu tenho que dizer, eu quase bati em alguns edifícios!”.

A Saga Crepúsculo: Lua Nova marca a primeira aparição dos Volturi, o mais próximo que o mundo dos vampiros tem de realeza e uma força importante no futuro da saga. Com séculos de idade e inimaginavelmente poderosos, eles servem como legisladores e policiais para a comunidade. O líder do grupo é Aro, interpretado por Michael Sheen. Sheen não é estranho a este mundo, tendo desempenhado o papel de um lobisomem escravizados pelos vampiros na série Anjos da Noite. Mas Sheen diz que havia outro nos sets encarnando tanto um vampiro quanto um lobisomem.

"Chris Weitz parece um cruzamento entre um vampiro e um lobisomem para mim", diz o ator. "Ele tem a aparência esculpida de um vampiro, e ainda é determinado como um lobisomem. Ele era como uma criatura mitológica grande andando pelo set".

Sheen desenvolveu uma vocalização distinta para Aro, mais aguda e mais precisa do que sua voz normal. Weitz observa que a sua entoação, talvez, surgiu de sua fala inicial sobre o personagem. "Essencialmente, o personagem é de 2.000 anos", diz Weitz. "Inglês não é sua primeira língua, então ele precisa falar de uma
maneira calculada. Ele é extremamente gentil e agradável, mas também extremamente perigoso”.

Na verdade Sheen diz que inconscientemente, canalizou os assustadores e psicodélicos Blue Meanies de Yellow Submarine quando manifestou Aro. "Houve um momento quando de repente eu pensei, 'Oh, eu pareci um pouco como os Blue Meanies", diz ele. "Eu achei eles realmente perturbadores quando eu era criança, então eu pensei que era uma boa coisa”.

Embora todos os Volturi sejam formidáveis, talvez o mais assustador é Jane, uma "inocente" vampira de cara angelical que pode infligir dor simplesmente por querer. Ela é interpretada por Dakota Fanning.

"Eu realmente nunca cheguei a interpretar uma pessoa ruim antes, mas neste, eu interpreto uma menina má ou uma vampira má, e foi muito divertido", diz Fanning. "Além disso, eu era um grande fã dos livros, eu li todos os quatro em cerca de uma semana, por isso foi emocionante ser convidada para fazer parte do filme”.

Parte da diversão veio da transformação física. "Eu comecei a usar lentes de contato vermelhas, que eram legais e mudou toda a aparência de tudo, literalmente", diz ela. "E a maquiagem branca... Eu pensei que era branquela antes, mas agora eu percebo, em comparação com um vampiro, que eu sou realmente muito bronzeada".

Kristen Stewart, que conhecera Fanning antes de seu envolvimento com o filme, diz: "Dakota é assustadora e malvada como Jane. Ela é uma das pessoas e atrizes mais impressionantes que eu já conheci. Ela realmente tem uma presença que é melhor você não mexer com ela. E você não espera, porque ela é uma menina. Ela é uma das melhores atrizes jovens por aí, e eu estou animada de começar a trabalhar com ela”.

A matilha de lobos

Os Cullen são uma família, os Volturi são uma espécie completamente diferente de família e, em seguida há os lobisomens, que Chris Weitz descreve mais como uma fraternidade. "Não no sentido como Alpha Omega Chi", diz o diretor. "Eles são um grupo de irmãos, cujo trabalho é supervisionar e proteger suas terras e sua tribo e até mesmo as pessoas ao seu redor que não necessariamente entendem o que eles estão fazendo”.

Na história, a matilha de lobos Quileute evoluiu como uma proteção contra os vampiros. O traço lobisomem é inativo até as terras tribais estarem ameaçadas, e em seguida, os escolhidos pelo destino para este papel não têm escolha e pouco controle sobre a transformação. O Quileute na vida real não tem tradição de licantropia, mas, segundo a lenda, a tribo descende dos lobos que foram transformadas em homens. Mesmo o nome tribal "Quileute" vem de sua palavra para o lobo ", Kwoli".

Chaske Spencer interpreta Sam Uley, o sereno e autoconfiante líder do bando. Ele tomou a liderança no set de filmagem também, ganhando o apelido de "Alpha" de seus colegas atores. "Como Sam, eu sentia que tinha que cuidar dos meus meninos", explica Spencer. "Foi fácil, nós gostávamos de sair uns com os outros fora da tela, e nós realmente entramos nos personagens. Foi uma fraternidade real”.

Sam foi o primeiro homem jovem de sua geração a experimentar a transformação e ele teve de orientar os que se seguiram. "Sua prioridade é proteger o seu povo", diz Spencer. "Esse é seu trabalho. Não é um trabalho que eu acho que ele realmente queria, mas é o que ele foi escolhido”.

Todos os atores que representam os membros da matilha de lobos são descendentes dos nativos americanos. Spencer é Lakota (Sioux); Bronson Pelletier, que interpreta Jared, é-Metis Cree; Kiowa Gordon, que interpreta Embry Call, é Hualapai; Tyson Houseman, que interpreta Quill Ateara, é Cree e Alex Meraz, que interpreta Paul, é Purepecha (Tarasco).

A herança de Meraz desempenhou um papel fundamental na sua caracterização de Paul. "Na matilha de lobos, você vê um pouco de como é a população nativa em uma reserva, especialmente no sentido de que a omunidade indígena considera-se como uma família, como a matilha de lobos faz", diz Meraz.

"Minha tribo é do México, e meu avô era um xamã lá", continua. "Nosso povo era de pescadores, como o Quileutes. Na preparação para a minha audição, rezei e pedi a permissão para retratar essa tribo. Você tem que mostrar o respeito ao povo do passado, do presente e do futuro”.

FAZENDO LUA NOVA BRILHAR

A Saga Crepúsculo: Lua Nova começou a ser filmada em março de 2009, em Vancouver e terminou em Montepulciano, uma antiga cidade murada, na Itália. As duas cidades criaram um forte contraste – as noites escuras e misteriosas e as profundas florestas verdes da Columbia Britânica, e os orgânicos, polidos tons da
Toscana compõe o visual do filme de forma equivalente.

"A luz no Noroeste do Pacífico fornece uma grande quantidade de difusão e frieza", Chris Weitz diz. "Dentro disso, há uma abundância de cores bonitas, e nossa intenção era usar isso a nosso favor. As sombras também são importantes - a floresta à noite, a escuridão da depressão”.

"A luz é muito diferente da Toscana", observa Weitz. "Ela tem tons muito mais quentes e é literalmente mais ensolarada, com toques das cores do figurino. A arquitetura é bem diferente. Montepulciano é conhecida por sua arquitetura renascentista, com vestígios da arquitetura da Idade Média também”.

O desenhista de produção David Brisbin trabalhou estreitamente com Weitz para estabelecer a paleta de cores do filme. "Chris veio para a mesa com algumas concepções muito específicas sobre como ele queria que a paleta fosse", diz Brisbin. "E girava em torno de pinturas pré-rafaelitas, que enfatizava cores saturadas em ambientes naturais”.

"Eu amo clássicos, épicos wide-screen como Dr. Jivago e Barry Lyndon", diz Weitz. "Eu estava pensando também sobre o tipo de pinturas que fez sentido para este mundo. Para mim, foi a narrativa da pintura e as obras pré-rafaelitas. Eles compartilham uma ênfase muito forte na história, no sentimento sobre amor e
perda, dor e saudade. Estas são as pinturas que acompanharam Tennyson e toda uma era de sentimentalismo. Elas também reavivaram uma paleta de tons de jóia e um tratamento de cor que fizesse sentido para mim, que ia ser diferente do primeiro filme, mas seria fiel ao espírito do segundo livro", diz Weitz.

O currículo eclético de Brisbin o coloca com um homem da Renascença, unicamente qualificado para a sua tarefa. Quando jovem Brisbin recebeu uma bolsa da Henry Luce Scholars para estudar na Ásia e trabalhou como repórter de TV, cobrindo a queda do regime de Marcos nas Filipinas. Inicialmente formado como um arquiteto, ele ficou sob a tutela do renomado arquiteto americano Robert Venturi, que transformou a máxima famosa de Mies van der Rohe, declarando: "Menos é chato”.

"No fundo, este filme é sobre o romance", diz Brisbin. "Sim, é um filme de vampiro, mas é realmente uma história de amor. A idéia toda de desenho de produção para mim é absolutamente enraizada em contar histórias. O que me interessa é que o drama que os atores e o diretor estão tentando montar na frente da lente é
embalado em um ambiente perfeito para a história ser contada”.

No livro de Meyer, os Volturi residem na antiga cidade italiana de Volterra, um local real na Toscana. "A escolha de Montepulciano como nossa Volterra foi uma grande discussão", diz Brisbin. "Chris queria antiguidade arquitetônica para nos guiar em fazer o mundo de Volterra. Montepulciano é de fato uma cidade medieval, e a praça e a prefeitura deu-lhe o acesso que lhe permitiu fazer uma filmagem simétrica. E que, muito concretamente, foi o motivo pelo qual nós terminamos em Montepulciano”.

As descrições de Meyer de Volterra e da fortaleza Volturi previam um projeto sólido para Brisbin trabalhar. "Se há alguma coisa que contribui na escrita de ficção para o design de produção, a Volterra de Stephenie Meyer é um exemplo bem sucedido” observa ele. "Ela imaginou um mundo em que a arquitetura contribui para a história”.

"O tribunal dos Volturi era em numa sala circular, quase como um vórtice. Tem um buraco no meio, que é aonde o sangue vai se as coisas mais perigosas acontecerem", diz ele. "Ela imaginou um corredor sem fim, que fomos capazes de criar, sem muito esforço utilizando a tecnologia CG. Estes são espaços que são projetados para refletir uma posição no mundo, e é uma experiência de como eles se movem através desse mundo”.

O Tippett Studio, fundado pelo pioneiro dos efeitos visuais Phil Tippett, criou os lobos para A Saga Crepúsculo: Lua Nova. "Nós estávamos animados por sermos os responsáveis por estabelecer o que será padrão em toda a saga", disse MacLeod. "Nós tentamos ser muito fiéis com as descrições no livro. Embora eles sejam lobisomens, eles não são as criaturas bípedes estereotipadas que começa a nascer cabelo em suas mãos e rostos. É muito elegante a transformação deles de seres humanos para lobos com quatro patas”.

"Todos aqueles que leram o livro e se apaixonaram pelo Team Jacob estão morrendo para ver como nós fizemos isso", continua MacLeod. "Não é animação, eles se parecem com lobos de verdade. Começamos pela captura em CG dos atores no computador antes da fotografia principal, para que pudéssemos transformá-los em lobos em plano-americano”,

O processo de digitalização mostrou-se surpreendentemente simples para os atores, pelo menos. "Eu me sentia como se estivesse em um terno verde, com pinos por toda parte", diz Alex Meraz, que interpreta o personagem Paul. "Eles só me fizeram ficar em cima de uma caixa de maçã, e esta grande máquina ficou se
movendo para cima e para baixo. E foi isso”.

"Eu podia ver no monitor e meu corpo estava ali na tela, um perfeito scan dele. Eu fiquei encantado como era rápido. A melhor maneira de descrever a transformação é como pipoca. A imagem só aparece e ali está o lobo”. Mas isso foi apenas o começo para a equipe de efeitos. "Nós construímos os lobos no interior no computador", explica MacLeod. "Então nós começamos com um sistema esquelético com o movimento das articulações que podem ser animados. E em cima disso, nós colocamos os músculos que podem ser flexionados. E depois uma camada de pele e pelo. Queríamos que eles parecessem e agissem como lobos reais, sem qualquer tipo de qualidade antropomórfica”.

"Os caras do Studio Tippett foram realmente a uma reserva de lobos", diz ela.

Essa atenção aos detalhes e fidelidade à letra e ao espírito de Stephenie Meyer norteou todo o processo produtivo, diz Weitz. "Se você amou os personagens e o romance de Crepúsculo, se você ama o sobrenatural, A Saga Crepúsculo: Lua Nova tem tudo isso e muito mais. Expande o mundo para incluir uma mitologia maior que eventualmente fornecerá a ponte entre o Crepúsculo e no terceiro capítulo, A Saga Crepúsculo: Eclipse”.

SOBRE O ELENCO

Kristen Stewart (Bella Swan), foi apresentada ao público no mundo inteiro com seu excelente desempenho ao lado de Jodie Foster em O Quarto do Pânico.

Recentemente, ela estrelou em Férias Frustradas de Verão do diretor Greg Mottola, junto com Jesse Eisenberg, e Doces Encontros, da diretora Mary Stuart Masterson. Os filmes de Stewart que ainda irão estrear incluem os filmes independentes Welcome to the Rileys, atuando ao lado de James Gandolfini, e The Runaways, filme biográfico sobre a banda de rock formada por garotas na década de 70, no qual ela interpreta Joan Jett.

Seus créditos cinematográficos adicionais incluem Na Natureza Selvagem, dirigido por Sean Penn, o filme independente The Yellow Handkerchief, ao lado de William Hurt e Maria Bello; Jumper; What Just Happened; Eu e as Mulheres, Os Mensageiros; Zathura; O Silêncio de Melinda; Sociedade Feroz; Segurem Essas Crianças; Contra Corrente; Garganta do Diabo e Encontros do Destino.

Robert Pattinson (Edward Cullen) ganhou notoriedade na indústria aos 19 anos de idade, quando se juntou à franquia Harry Potter, em Harry Potter e o Cálice de Fogo de Mike Newell, como Cedrico Diggory, representante oficial de Hogwarts no Torneio Tribruxo. Pattinson voltou a aparecer em Harry Potter e a Ordem da Fênix, retornando em um flashback.

Pattinson começou sua carreira profissional com um papel em A Maldição do Anel de Uli Edel, ao lado de Sam West e Benno Furmann. Ele também apareceu em Uma Vida Sem Regras do diretor Oliver Irving, ganhador de Menção Especial do Slamdance Film Festival. Pattinson interpretou o papel principal em Little Ashes, como Salvador Dali, dirigido por Paul Morrison. Pattinson ainda aparecerá ao lado de Emilie de Ravin, Pierce Brosnan e Chris Cooper no drama Remember Me do diretor Allen Coulter.

Os créditos de Pattinson na televisão incluem "The Haunted Airman" para a BBC. Como um membro do Barnes Theatre Group, ele interpretou o papel principal em "Thornton Wilder” e “Our Town”. Outros créditos nos palcos incluem “Anything Goes” de Cole Porter, "Tess dof the D'Urbevilles" e "Macbeth" no OSO Arts Centre.

Taylor Lautner (Jacob Black) teve sua grande chance em 2005 quando, aos 13 anos de idade, ele ganhou o papel de Shark Boy em As Aventuras de Sharkboy e Lavagirl em 3-D, de Robert Rodriguez. Em poucos meses, ele teve sucesso no teste para interpretar Eliot, o filho do rival de Steve Martin, Jimmy Murtaugh, na comédia familiar Doze É Demais 2.

Lautner nasceu em 1992 em Grand Rapids, Michigan. Ele começou a estudar karatê com seis anos de idade e foi ganhando torneios por sete anos. Ele logo foi convidado para treinar com o campeão Mike Chat com oito anos. Lautner foi convidado a representar seu país no Campeonato Mundial da Associação de Karate. Ele provou seu valor tornando-se campeão mundial Junior de artes marciais, conquistando três medalhas de ouro.

Lautner continuou a florescer no circuito das artes marciais. Em 2003, aos 11 anos, ele foi classificado como No. 1 no mundo em várias categorias e durante o próximo ano ganhou três campeonatos mundiais de Juniores sob sua faixa preta. Lautner foi mordido pelo inseto da atuação aos sete anos de idade, quando seu instrutor de artes marciais o convenceu a um teste para um comercial do Burger King em Los Angeles. Quando tinha 10 anos, sua família tomou a difícil decisão de se mudar para Los Angeles, onde Lautner poderia estudar interpretação em um regime de tempo integral. Após a mudança, Lautner desembarcou em papéis em
"My Wife and Kids", "Summerland", "The Bernie Mac Show” e" The Nick and Jessica Variety Hour”.

Lautner foi muito bem sucedido no mundo do trabalho de dublagem. Ele tem um papel recente como Youngblood no desenho animado "Danny Phantom" e emprestou sua voz para personagens de dois episódios de "What's New, Scooby- Doo?" E "Charlie Brown".

Trailer do Filme

 

 

Fonte: Paris Filmes