Interior do sudeste do Brasil, anos 50.
Diogo é um peão de boiadeiro calado, introspectivo, mas de enorme coração. Quando solta a voz na cantoria, todos se encantam. Ao tocar uma grande boiada para a Fazenda Ouro Fino, de propriedade do truculento Major Batista, Diogo passa pelo Sítio Remanso, de Otacílio Mendes, onde conhece e trava amizade com Rodrigo, o menino da porteira.
Porém, Otacílio é inimigo político do Major, e Diogo logo percebe a forte tensão que existe pela região.

Chegando ao vilarejo, Diogo é procurado por um grupo de pequenos sitiantes que lhe revelam a maneira predatória e violenta como o Major domina o lugar, forçando os criadores a vender gado e terras pelo preço que impõe. Contra os que se recusam, ele costuma usar a violência de seus capangas.
Diogo aceita levar o rebanho dos pequenos criadores para ser vendido em melhores condições, em outra região. O Major reage de maneira brutal.
A situação entre Diogo e o Major fica cada vez mais insustentável. A cidade está dividida, o clima é de guerra e as conseqüências serão tragicamente inevitáveis.
E como se tudo isso não bastasse, Diogo ainda se encanta com Juliana, a bela enteada do Major. O amor que surge entre eles provoca ainda mais a ira do tirano local.


O RETORNO DE UM CLÁSSICO

Mais de 30 anos depois do lançamento de 'O Menino da Porteira', verdadeiro clássico popular brasileiro que levou 4,5 milhões de pessoas aos cinemas, a dupla Jeremias Moreira (direção) e Moracy do Val (produção executiva) volta a se reunir.

Jeremias e Moracy acabam de refilmar o grande sucesso de 1976, agora com o cantor Daniel no papel do boiadeiro Diogo (vivido por Sérgio Reis no filme original), e José de Abreu como o vilão Major Batista, interpretado anteriormente por Jofre Soares.

Juliana, principal papel feminino do filme, é agora vivida por Vanessa Giácomo. Maria José Viana foi a intérprete da versão anterior.

Com a ação ambientada nos nostálgicos anos 50, este novo 'O Menino da Porteira' teve suas filmagens realizadas no município de Brotas, interior paulista, e na cidade cenográfica especialmente construída no Pólo Cinematográfico de Paulínia (SP).

A produção é da Jerê Filmes, com distribuição da Sony Pictures.



CURIOSIDADES DA PRODUÇÃO

Baseado em letra de música
Muitos filmes são baseados em livros, peças teatrais, histórias em quadrinhos ou argumentos originais. Raríssimos, porém, partem da letra de uma música como fonte de inspiração. Um destes filmes raros é 'O Menino da Porteira', idealizado a partir da famosa canção sertaneja composta por Teddy Vieira (letra) e Luizinho (música), gravada pela primeira vez em 1955.

Cururu
Para os estudiosos da música brasileira, a canção 'O Menino da Porteira' é considerado um Cururu, ou seja, uma espécie de repente, um desafio trovado ao som de violas, gênero típico do Médio Tietê, interior paulista.

Clássico instantâneo
Após sua primeira gravação, em 1955, 'O Menino da Porteira' tornou-se rapidamente um verdadeiro clássico do cancioneiro popular brasileiro, música obrigatória no repertório dos maiores intérpretes do gênero, até os dias de hoje.

"Menino" virtual
No You Tube, encontram-se mais de 200 vídeos de jovens cantando 'O Menino da Porteira'.

Autenticamente caipira
A caracterização do personagem Zé Coqueiro foi inspirada na pintura "Caipira Picando Fumo" de Almeida Júnior (1850-1899), que é parte do acervo da Pinacoteca de São Paulo. Este pintor paulista é bastante reconhecido por abordar, em sua obra, temas nacionais, principalmente cenas do interior de São Paulo.

Luz inspirada
A obra do pintor paulista Almeida Júnior também serviu de inspiração para a luz do filme, a composição estética dos personagens e a ambientação do filme, sobretudo os quadros "Caipira Picando Fumo" e "Violeiro na Janela".

Histórias além do roteiro
Na preparação dos atores, o diretor Jeremias Moreira, adota como técnica de trabalho trazer histórias que ele cria junto com o elenco antes de distribuir o roteiro. Desta forma, quando o ator recebe o roteiro, ele já é o personagem, ou já tem elementos para criar um personagem, independentemente da história.

Os originais
No filme original, de 1976, o papel do boiadeiro Diogo foi vivido pelo cantor Sérgio Reis, enquanto o Major Batista (agora, na interpretação de José de Abreu), foi Jofre Soares (1918-1996).
Maria Viana interpretou Juliana, papel que agora é de Vanessa Giácomo.

Dor de dente real
Para enfatizar ainda mais o caráter irascível e mal-humorado do seu personagem Major Batista, o ator José de Abreu imaginou que o vilão sofresse de uma crônica dor de dente. Perfeccionista, Abreu foi então ao seu dentista e pediu que ele lhe removesse uma ponte, causando assim um visível desconforto que foi "incorporado" ao personagem.

Tudo novo
Toda a equipe do filme foi aconselhada pelo diretor, Jeremias Moreira, a não assistir à versão original. A intenção foi a de criar um trabalho novo, sem influências anteriores.

Sucesso
A primeira versão do filme levou mais de 4 milhões de espectadores aos cinemas, sendo considerada uma das maiores bilheterias da época.

Propaganda à moda antiga
No filme, é possível observar nomes de anunciantes e patrocinadores pintados em porteiras e cercas de propriedades rurais. Embora pareça estranha nos dias de hoje, esta prática era muito comum nos anos 50 e 60, em todo o interior paulista.

O primeiro sertanejo a gente não esquece
Um dos destaques da trilha sonora do filme é a canção "Vida Estradeira". Além de inédita, este é o primeiro trabalho (tanto letra como música) composto em estilo sertanejo pelo maestro e arranjador Nelson Ayres, conhecido pela sua obra instrumental.

Locações autênticas
'O Menino da Porteira' foi totalmente rodado no interior do estado de São Paulo, com locações na cidade de Brotas e arredores, e no Pólo Cinematográfico de Paulínia, onde foi construída uma cidade cenográfica especialmente para o filme.

Remake, não: refilmagem
'O Menino da Porteira' é um caso raro de refilmagem dentro do cinema brasileiro. Mais raro ainda (talvez até inédito) pelo fato de ambas as versões - a original e a atual - terem sido assinadas pelo mesmo diretor (Jeremias Moreira) e pelo mesmo produtor (Moracy do Val).

Trailer do Filme

 

Fonte: Europa Filmes/CinePOP